{Casamento} Na cidade mais iluminada do mundo!

Padrão

‘ O que acontece em Vegas, fica em Vegas’. Esse ditado americano é muito conhecido em todo e a justificativa para ele é fácil: $$$, jogos e bebidas normalmente resultam em atitudes mal pensadas e altas ressacas (acho que todo mundo já assistiu vários filmes que retratam isso, como ‘Se Beber Não Case’, não é mesmo?).

E, claro, algumas dessas idiotices feitas por lá diz respeito a casamento. Depois de muito whisky e champagne todo mundo pode se tornar o amor da sua vida e a facilidade de casar nas inúmeras capelas da cidade transforma isso em ‘sejam felizes para sempre’.

Xiiiii e o dia seguinte? ‘Casei? Com você?’ hahahaha deve ser engraçado. Mas, ‘o que acontece em Vegas, fica em Vegas’ e as pessoas seguem sua vida normalmente e riem pelo resto dela dessas situações.

Poréeemmmmmm, o que muita gente não sabe é que a papelada dessa brincadeira pode se tornar verdadeira no Brasil. Sim, é só registrar o certificado recebido em Vegas em um cartório brasileiro que o casamento é válido!

Então, solteiros de plantão, CUIDADO! Imagina você ganhar milhões de dólares no cassino, se casar com alguém que nem sabe quem é e no final precisar dividir a riqueza??? rs

Brincadeiras a parte, tudo isso é verdade, mas estou aqui para falar de quem quer MESMO casar em Las Vegas!

Pode ser o casamento de verdade, o primeiro mesmo, ou outro para comemorar alguma bodas (chamado de Renovação de Votos, vows renewal), é CHIQUÉRRIMO casar na cidade mais iluminada do mundo!

Nunca tinha pensado nessa hipótese, mas ao assistir, novamente o Mais Você da Ana Maria Braga começou uma coceirinha… rs (sim, assisto Ana Maria Braga, fazer o que?! rs).

É fácil e barato casar lá. Com US$ 60 você paga a papelada e mais US$ 195 tem direito a bouquet, fotos e aluguel de uma das inúmeras capelas dentro e fora de hotéis da cidade. Ah, mais US$ 172 ainda tem o Elvis cantando ao vivo para você (sim, Elvis não morreu!).

Claro que existem capelas mais chique e caras, que cabem convidados e tudo mais e o valor do pacote pode chegar a US$ 3000,00 ou muitooo mais, é só usar a imaginação!

Little Chapel of the Flowers - linda e chique! http://www.littlechapel.com

Little White Wedding Chapel! Mais estilosa... rs... http://www.littlewhitechapel.com

Esses valores foram passados pela Ana Maria e fazendo uma conta por cima com cerca de US$300 em uma capela simples e pequena, mas mais legais no meu ponto de vista, você pode se casar em Vegas! A-D-O-R-E-I!

Agora noiva não pode casar sem vestido de noiva, certo? Então, se quer fazer algo bem tradicional existem lojas onde o aluguel começa em US$ 800 (salgadinho não?) e tudo é de primeira.

Mas, de verdade, acho que casamento em Vegas combina com algo mais diferente então eu levaria um vestido bem legal e ousado de casa mesmo para esse evento! Of Course que com um detalhe que lembrasse uma noiva… mas, para arrasar! rs

Mais ou menos assim, como a Fernand Floret do blog Vestida de Noiva que renovou seus votos em 2009 na Graceland Chapel - http://www.gracelandchapel.com

Resumindo: eu quero renovar meus votos em Vegas!!!! E você?

{Casamento} Mês das noivas

Padrão

Todo mundo sempre disse que maio é o mês das noivas (devido a tradição de mês de Maria, mãe de Jesus, na Igreja Católica principalmente).

O mês no qual é impossível achar data em igrejas e salões tamanha a necessidade de se casar no quinto mês do ano.

Porém, isso já pode ser considerado costume do passado. 

 

Atualmente não existe, de fato, um mês específico queridinho das noivas, porém existem aquele no qual o número de casamentos é maior e, no Brasil, é dezembro (segundo o IBGE)!

E os fatores que levam a essa constatação não são nada românticos (rs): férias e 13º salário! hahahaha. Os noivos escolhem o último mês do ano porque é quando terão mais tempo e dinheiro! Sei que isso é essencial para um casamento, mas, diga-se de passagem, outro fatores podem ser levado em conta não?!

Por exemplo, os que deixam o nono mês do ano na segunda posição.

Ahhh setembro, começo da primavera, a estação das flores. Mês de temperatura amena (desconsidere hoje, ontem, antes de ontem… que para quem não gosta de calor – não é o meu caso – está um inferno), céu azul, pouca chuva. Tudo que uma noiva poderia querer para seu BIG DAY.

Os outros meses que têm um alto número de matrimônios, ainda segundo o IBGE, são março, abril, junho, outubro e novembro. Ou seja, janeiro, fevereiro, julho e agosto são os excluídos dessa agenda exigente! rs

 

Opinião

Agora uma análise TOTALMENTE pessoal me leva a seguinte questão: noivas gostam de casar no verão, ou pelo menos, quando não esteja frio, o que tira julho da parada. E, claro, dispensam CLARAMENTE chuva, por isso janeiro e fevereiro estão fora de cogitação.

Isso leva a uma conclusão tirada por meu marido na época da organização do nosso casamento: o noivo não manda em nada mesmo, nem no mês. Ele é o único que não pode estar com roupa de calor no casamento e mesmo assim não pode exigir um dia gelado… rs.

De fato a maioria das escolhas de data (e todo o resto, óbvio) é das mulheres. Claro que eles podem e devem opinar, massss sempre ganhamos essas disputinhas não? No meu caso disse que não queria casar no inverno e a escolha de novembro aconteceu devido ao nosso destino de lua-de-mel, NY, e altas possibilidades de compra nessa época! rs. Nada romântico.

 

Estranheza

Agora agosto é um mês que merece destaque especial. Não achei uma explicação convincente sobre o motivo que leva a discriminação do mês oito dos calendários das noivas. A mais bonitinha diz que era quando os navegantes portugueses, na época das grandes navegações, partiam para alto mar, deixando suas mulheres sós. Mas, algumas mais maldosas levam em consideração o tal mês do cachorro louco ou outras coisas bizarras que seguem no inconsciente de grande parcela das mulheres.

 

O certo

Depois de toda essa explanação com e sem respaldo científico, rs, posso dizer uma coisa: não existe o mês das noivas, existe o mês e o dia que VOCÊ QUISER! Pode estar nevando ou escaldando, ventando ou derretendo: É O SEU DIA! Será perfeito de qualquer jeito!

Claro que essa escolha acarretará preocupações diferentes, já que na alta temporada de casamentos (setembro à dezembro) os fornecedores tendem a cobrar mais caro, você terá que começar a organizar tudo bem antes para conseguir o que quer, etc, etc… enquanto em agosto, por exemplo, é capaz de conseguir um baita desconto naquele fotógrafo badaladíssimo.

Tudo é questão de colocar as prioridades na balança porque o dia escolhido sempre será ESPECIAL E INESQUECÍVEL!

 

Agora, uma homenagem a cada mês do ano com fotos de noivas e casais lindíssimos que tenho o prazer de conhecer!

Bianca e Hélio. 23 de janeiro de 2010. Foto: Santiago

Letícia e João. 14 de fevereiro de 2009.

Juliana e Marcos. 13 de março de 2010. Foto by: Rejane Wolf

Hanna e Itiro. 25 de abril de 2009.

Thaís e Fábio. 30 de maio de 2009. Foto by: Fernando Coutinho

Bruna e Bruno. 20 de junho de 2009. Foto by: Rejane Wolf

Katiane e Edinho. 11 de julho de 2009.

Dani (corujinha) e Rej, seu holandês! rs 08 de agosto de 2009.

Carolina e Alex. 19 de setembro de 2009. Foto by: Clau Peixoto

Graziela e Valdir. 10 de outubro de 2009.

Euzinha e meu amore! rs... 20 de novembro de 2010. Foto by: Clau Peixoto.

Ingrid e Pietro. 04 de dezembro de 2010. Foto by: Portal Imagem

Dá pra arrasar em qualquer mês, dá não? rs

 

{Casamento} E para inspirar casamentos duradouros…

Padrão

E dando continuidade ao post de hoje a tarde, um vídeo raro que mostra um casamento em 1944 nos EUA! Gente, é raro demais ver filmagens desta época e o mais gostoso de se ver é o amor nos gestos e olhares.

Recuperado pelo neto do casal e divulgado para todo o mundo, o vídeo foi feito com câmera 16 mm (as 8 mm estão virando xodó entre as noivas mais moderninhas) e mais do que ter um clima vintage, ele é vintage de verdade gente! rs

Que todo casamento, independente de milhões de flores e milhões gastos (o que não aconteceu nesse aí de cima), possa mostrar sentimentos tão verdadeiros quanto esses! E, claro, que dure décadas e décadas e décadas…

ps: Dica copiada do blog Vestida de Noiva, da Fernanda Floret, e compartilhada aqui porque sei que muitas casadinhas já não frequentam mais blogs de noivas.

{Casamento} É bom e tá na moda!

Padrão

Casar é bom, e tá na moda!

Sim, segundo a Síntese dos Indicadores Sociais 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2008 o número de casamentos no Brasil atingiu a maior taxa dos últimos 10 anos. Em 1999, a taxa de nupcialidade legal, que é obtida pela divisão do número de casamentos pelo de habitantes e multiplicando-se o resultado por 1.000, foi de 6,6. Em 2008, o número chegou a 6,7.

De acordo com dados da pesquisa, de 1999 a 2008, o Brasil registrou uma reversão da tendência de redução das taxas de casamento. De 1999 a 2002, para a população de 15 anos ou mais de idade, as taxas caíram de 6,6‰ a 5,6‰, e, a partir daí, cresceram até 6,7‰, em 2008, a maior taxa registrada no período.

Em 2008, o total de casamentos registrados foi de 959.901, cerca de 5% superior ao número observado em 2007.

E, nem mesmo os últimos dados revelados pelo IBGE em novembro de 2010 sobre o ano de 2009, que mostra 935.116 matrimônios, redução de 2,3% em relação a 2008 interrompendo a sequência de crescimento que vinha sendo observada nos últimos seis anos, desanima (porque esse número não dá para ser considerado pequeno, dá???).

 

Acho essas estatísticas muito interessantes. Já pararam para pensar, realmente, no que é quase 1 milhão de casamentos em um ano???? MUITA COISA!

 

E tem mais notícia boa: ainda segundo o IBGE, os matrimônios também ficaram mais duradouros. Os casamentos duraram em média 11,5 anos em 2004. Na década de 90, o tempo médio de união era de 9,5 anos. No ano 2000, as uniões tinham uma duração de 10,5 anos. Segundo a pesquisa, o Rio Grande do Sul e Santa Catarina são os Estados em que as uniões legais são mais resistentes. No RS, por exemplo, o casamento durava em média 13 anos. Por outro lado, no Amazonas, os casais ficavam em média 8,8 anos juntos e no Acre, os casamentos duravam em média 9,8 anos.

Mais e mais números relativos a 2009

O Acre ficou com a maior taxa de nupcialidade (11,2‰, quase o dobro da taxa nacional de 6,5‰), e também teve maior percentual de divórcios do tipo direto (98,3%). As mulheres estão casando cada vez mais tarde e o percentual de casamentos em que a mulher é mais velha do que o homem está aumentando gradativamente (de 19,3% em 1999 para 23,0% em 2009). Os casamentos em que um dos cônjuges é divorciado ou viúvo passaram de 10,6% em 1999 para 17,6% em 2009.

 

Casais onde a mulher é mais velha que o homem são cada vez mais comuns

A taxa de nupcialidade para mulheres de 15 a 19 anos, em 2009 (15‰), foi inferior à observada em 1999 (23,1‰). Já as taxas de todos os grupos etários a partir de 25 anos estão subindo continuamente, refletindo o aumento da idade média das mulheres ao casar. Em 2009, a maior taxa entre as mulheres permaneceu no grupo etário de 20 a 24 anos (28,4‰), valor significativamente inferior ao obtido no mesmo grupo em 1999 (33,9‰).

Outra mudança gradual nos padrões das uniões formais é o aumento da percentagem de mulheres solteiras com idade acima da idade do homem solteiro na data de casamento. Casamentos em que o homem tem idade mais elevada ainda são majoritários, porém, na comparação entre os anos de 1999, 2004 e 2009 observa-se o aumento dos percentuais em que a mulher é mais velha, respectivamente 19,3%, 21,3% e 23,0%. O maior volume de casamentos em que a mulher tem idade mais elevada ocorreu, em 2009, entre as mulheres com idade entre 25 e 29 anos (33,9%).

Os homens se casam mais tarde. As taxas de nupcialidade legal das mulheres são maiores que a dos homens apenas nos dois grupos etários mais jovens (15 a 19 anos e 20 a 24 anos) e a partir dos 60 anos de idade, as taxas obtidas para pessoas do sexo masculino são mais que o dobro que as das mulheres. Em 2009, os homens solteiros que se casaram com mulheres solteiras, tinham idade média de 29 anos e as mulheres, 26 anos, 2 anos a mais que em 1999, para ambos.

Os homens tiveram taxa de nupcialidade mais elevada no grupo cujas idades estão compreendidas entre 25 e 29 anos (30,9‰), valor inferior ao observado para o ano de 1999 (32‰). Para todos os grupos etários a partir de 30 anos, as taxas de nupcialidade dos homens foram maiores em 2009 que em 1999.

Rio de Janeiro tem maior proporção de casamentos entre divorciados

O Rio de Janeiro foi o estado com a menor proporção de casamentos entre solteiros (77,2%) e Amapá, o estado com a maior proporção (92,1%). Os casamentos entre cônjuges solteiros permanecem como conjunto majoritário (82,4%), entretanto, o número de casamentos em que pelo menos um dos cônjuges era divorciado ou viúvo cresceu de 10,6% em 1999 para 17,6% do total das uniões em 2009. Os casamentos em que os dois indivíduos eram divorciados (2,9% do total nacional) tiveram a maior proporção no Rio de Janeiro (4,0%).

Os casamentos entre homens divorciados e mulheres solteiras foram 7,2%, os de mulheres divorciadas que se uniram formalmente a homens solteiros, 5,3%. As uniões formais entre mulheres divorciadas e homens solteiros foram mais freqüentes em Goiás, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul, entre 5,6% e 5,8% do total. A composição inversa, homens divorciados e mulheres solteiras, foi superior a anterior em todas as unidades da federação, sendo os maiores percentuais observados no Distrito Federal (9,6%) e no Rio de Janeiro (9,2%).

UFA! Sei que este post é grande e até meio massante, mas acho que a mídia precisa falar mais sobre os números relacionados a casamento, é tudo pouco divulgado. E fico muito feliz de saber que não se está somente casando mais, mas também mantendo mais o casamento! Eu sou aquela ‘amante a moda antiga’: ainda acredito na instituição chamada MATRIMÔNIO! E você?

{Casamento} Para começar: amar em silêncio

Padrão

Precisava de uma inspiração para começar esse ‘Especial Casamento’ no blog.

Sim, mesmo estando ainda tão envolvida em tudo que diz respeito a esse assunto, parecia que algo me impedia de escrever cada vez que entrava aqui.

Hoje, porém, a inspiração veio e sei EXATAMENTE porque: um vídeo que me mostrou que casamento nada mais que é AMOR e que esse sentimento pode ser expressado de mil maneiras, até mesmo em silêncio.

Não vou dizer mais nada… confiram no link http://www.band.com.br/jornaldaband/conteudo.asp?ID=100000453979

E agora me digam: tem melhor forma de começar esta semana dedicada a casamento

no ‘Por que casar engorda?’ ?

Espero que nos próximos dias possa trazer coisas interessantes e assuntos pouco discutidos deste assunto tão encantador e adorável, não percam!

Como borboletas sem asas…

Padrão

Esse post excepcional (já que é o segundo do dia) é em homenagem aquelas pessoas que têm o dom de flutuar ao invés de andar… que transformam seus braços em asas e movimentos em música!

Para as borboletas sem asas que existem por ai, nossas BAILARINAS, parabéns pelo seu dia!

E, claro, parabéns para os meninos/homens que ultrapassam o preconceito e estão nos palcos de todo mundo!

Mas, um parabéns ESPECIALÍSSIMO para a nossa Pêssega-Bailarina Thaís Godoy: pelo seu dom, leveza e principalmente AMOR pela dança!

Ana Botafogo. Foto: Thaís Godoy

Espetáculo João e Maria - Laboratório de Dança. Foto: Godoy e Machado

Espetáculo João e Maria - Laboratório da Dança. Foto: Godoy e Machado

Espetáculo João e Maria - Laboratório da Dança - com nossa bailarina Thaís Godoy. Foto: Godoy e Machado

{Mulherices} Nail Bar ou Bar de unhas

Padrão

Algo me chamou atenção ao entrar e sair de site de notícias hoje: uma manchete falando que o ‘Bar de unhas’ é novidade no Rio de Janeiro.

Minha imaginação fértil já desenhou um bar cheio de unhas… ou que servisse drinks e pratos especiais com esse ‘ingrediente’… HAHAHA.. claro que é brincadeira, mas fiquei muito curiosa!

A matéria em si era um vídeo do Mais Você, da Ana Maria Braga, e ao entender do que se tratava ADOREI e precisava dividir com vocês.

A tal novidade, que na verdade tem o nome em inglês – Nail Bar – e dessa vez acho que fica bem melhor assim, tem o intuito de deixar a hora de fazer as unhas mais prazerosa.

O único salão do Brasil que possui essa área fica em um complexo de beleza na Barra da Tijuca, RJ, e se chama Beaux. Pela localização e serviços oferecidos não é para simples mortal como eu, mas soube inovar.

O Nail Bar não tem nada de salão de beleza. Parece um bar de hotel chique e moderninho, sabe? Com balcão, onde as unhas são feitas, sofás e mesas baixas para quem está esperando ou simplesmente conversando e uma parede INTEIRINHA E IMENSA com prateleiras e mais de 1.500 esmaltes IMPORTADOS (a maioria  Alessandro e Sally Hansen)! E, claro, tudo isso acompanhado de um suquinho, saladinha ou champagne com pratos elaborados, se preferir.

Queria uma parede dessas em casa... e um ambiente desse também! rs Foto: divulgação

Ambiente perfeito para um encontro semanal com as amigas, não? Foto: divulgação

É LUXO demais meninas, sério, LINDO! Para quem vai na manicure toda semana como eu, UM SONHO!

Obviamente tudo isso tem um preço, bem alto por sinal:

Manicure R$ 44 e Pedicure R$ 60. Se quiser os dois R$ 92, isso sem contar as famosas francesinhas que encarecem sempre.

 

Não é pro meu bico nem pro meu bolso, mas que deve ser um ambiente bem mais gostoso de ficar que os salões com barulho insuportável de secadores de cabelo, isso sim.

Só não dá pra fugir da fofoca: muita mulher junta sempre acaba nisso, seja rica, seja pobre! hahaha

 

ps: se quiser saber mais sobre o salão chiquetoso e o tal de ‘Bar de unhas’ (credo) acesse  http://www.beaux.com.br/lounge/nail-bar/
ps 2: o vídeo da Ana Maria Braga também é bem legal para matar mais a curiosidade. Clique aqui para assistir!